quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Regulamento: Taça Prata da Casa de Futsal

Resultado de imagem para regulamento

TAÇA PRATA DA CASA DE FUTSAL
21 de agosto á 22 de setembro 2018

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO
REALIZAÇÃO: SECRETARIA DE TURISMO, ESPORTE E LAZER
PROMOÇÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE TANGARÁ
CAPÍTULO I _ DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

ARTIGO 1º: A TAÇA PRATA DA CASA TANGARAENSE DE FUTSAL 2018 tem por objetivo principal a integração, a harmonia, a descontração física e mental, a socialização e participação dos desportistas tangaraenses que não participaram como atletas da Copa Verão de Futsal 2018.

ARTIGO 2º: A competição será realizada de acordo com as leis e normas desportivas, salvo algumas adaptações constantes neste regulamento. A equipe que confirmar a inscrição estará aceitando em sua totalidade as normas e o regulamento da competição.

ARTIGO 3º: A divulgação e informações oficiais da competição estarão disponíveis no blog Sei Tangará www.seitangara.com.br e no grupo de Whatsapp oficial da competição.

CAPÍTULO II  DA ORGANIZAÇÃO, DIREÇÃO E DO TEMPO DE JOGO
ARTIGO 4º: A promoção do evento será da prefeitura municipal de Tangará, que isenta as equipes participantes de qualquer taxa de participação no evento que será organizado pela Secretaria municipal de Turismo,Esporte e Lazer, que cumprirá e fará cumprir este regulamento.

ARTIGO 5º: Os jogos serão realizados no ginásio senador Carlos Alberto de Souza, nos dias e horários marcados em tabela divulgada pela organização do evento, com tolerância máxima de 15 minutos para o horário determinado apenas para o primeiro jogo.

§ ÚNICO: Com 1º jogo ocorrendo normalmente, não haverá tolerância de tempo para o inicio do 2º jogo.

ARTIGO 6º: Cada partida terá duração de 40 minutos divididos em dois tempos de 20 minutos cada com intervalo entre os tempos de 05 minutos.

§ ÚNICO: No minuto final de cada tempo (a partir do 19º min) o tempo será rigorosamente cronometrado a cada bola parada (lateral, escanteio... falta). O árbitro poderá pedir paralisação do cronômetro a qualquer tempo da partida.

CAPÍTULO III _ DA INSCRIÇÃO DE EQUIPES E ATLETAS
ARTIGO 7º: Cada equipe poderá inscrever um número máximo de 20 (vinte) atletas e três integrantes da comissão técnica, até a fase final. A comissão técnica pode ser inscrita até a fase final, desde que não esteja inscrita em outra equipe participante da competição.Por jogo cada equipe poderá relacionar em súmula um total máximo de 20 atletas.

§ ÚNICO: Só poderá atuar na competição atletas tangaraenses identificados no artigo 11º, sendo que os que disputaram (ou foram inscrito em súmula) a Copa Verão de Futsal 2018. Só poderão atuar como integrante da comissão técnica participante da competição.

ARTIGO 8º: A idade mínima para o atleta participar da competição é de 16 (dezesseis) anos completos. (RDI 02/2004, 18-06-2004, CBFS).

ARTIGO 9º: O atleta menor de dezoito anos (16 e 17 anos) só poderá atuar na competição mediante assinatura do pai ou responsável na FICHA de AUTORIZAÇÃO. (A organização da copa tem o modelo da autorização).

ARTIGO 10º: Todos os inscritos na competição devem ser do município tangaraense, conforme itens constantes no artigo 11º deste regulamento.

ARTIGO 11º Um ou mais itens que identifica o atleta do município:
A) For natural do município;
B) Contenha documento oficial que comprove vínculo com o município;
C) More, estude ou trabalhe a no mínimo 03 meses no município.

ARTIGO 12º: A confirmação de inscrição do atleta e comissão técnica na competição será após a entrega da ficha de inscrição da equipe assinada pelos próprios integrantes. Após assinado em hipótese alguma o inscrito poderá ser substituído ou atuar por outra agremiação.

ARTIGO 13º: É obrigatório a apresentação do RG no 1º jogo de cada atleta.

ARTIGO 14º: Qualquer atleta uma vez relacionado em súmula, poderá se incorporar ao banco de reservas, mesmo no desenrolar da partida.

CAPÍTULO IV _ DA FORMA DE DISPUTA
ARTIGO 15º: A TAÇA PRATA DA CASA TANGARAENSE será disputada por 25 equipes divididas em 08 grupos, que foram agrupados em suas respectivas chaves através de sorteio, realizado no congresso técnico realizado na Câmara Municipal no dia 13 de agosto de 2018.

ARTIGO 16º: A competição será realizada em cinco fases: Na 1ª fase as equipes jogam entre si dentro do próprio grupo em turno único, qualificando-se para a fase seguinte os dois (2) primeiros de cada chave por índice técnico de classificação.

§ ÚNICO: A pontuação para a competição será distribuída da seguinte maneira:
·         VITÓRIA: 03 PONTOS
·         EMPATE: 01 PONTO
·         DERROTA: 00 PONTO

ARTIGO 17º: Os critérios de desempate para a 1ª fase obedecerão à seguinte ordem:
A)    Maior número de vitórias;
B)     Não ter perdido por WO;
C)     Menor número de gols sofridos;
D)    Confronto direto (no caso de 02 equipes);
E)     Melhor saldo de gols;
F)      Sorteio.

ARTIGO 18º: A partir da 2ª fase (oitavas de final), os jogos que terminarem empatados serão decididos em cobranças de pênaltis conforme o Anexo III do livro de regras de futsal..

CAPÍTULO V _ DAS APENAÇÕES
ARTIGO 19º: Estará automaticamente suspenso o atleta que durante a competição vier a receber 02 cartões amarelos ou 01 vermelho.

ARTIGO 20º: Os cartões amarelos que não enseje suspensão automática serão zerados ao término de cada fase.

ARTIGO 21º: A partir das oitavas de final inicia uma nova contagem de cartões (para quem não estiver punido) e não serão mais zerados.

ARTIGO 22º: A suspensão automática será considerada cumprida quando da desistência (WxO) ou eliminação do adversário seguinte.

ARTIGO 23º: A equipe que utilizar atleta ou membro da comissão técnica irregular na partida estará sujeito a:
A)      A equipe que utilizar atleta ou dirigente irregular na fase de classificação perderá 03 (três) pontos, mas os pontos conquistados na partida em que ocorreu a irregularidade. Se o jogo for de fase eliminatória a equipe estará desclassificada com o seu oponente garantindo a vaga na fase subsequente.
B)       Em nenhuma hipótese os pontos serão revertidos para equipes adversárias;
C)       Nas hipóteses previstas neste artigo do regulamento, o resultado registrado no encerramento da partida não será alterado, mantendo-se o mesmo para critério de desempate e artilharia. (Regulamento Geral CBFS/2016 Art. 65)

ARTIGO 24º: Se uma partida não for iniciada, ou se após o inicio venha a ser encerrada por falta de número mínimo legal de atletas, determinado pelas regras, a equipe que não tiver o número mínimo de atletas será considerada perdedora, somando-se os 03 pontos para a equipe que tinha o número mínimo de atletas para a continuidade do jogo.

ARTIGO 25º: Se nenhuma das duas equipes possuírem o número mínimo legal de atletas para continuidade da partida, as duas serão consideradas perdedoras e nenhum ponto será atribuído as mesmas. O número mínimo de atletas por equipe para iniciar o jogo é de 3 atletas. Um deles obrigatoriamente terá que atuar como goleiro.

ARTIGO 26º: Os tentos ocorridos na partida serão mantidos para efeitos de artilharia.

ARTIGO 27º: A equipe que se recusar a dar continuidade à partida por mais de 05 minutos depois de advertida pelo árbitro, ainda que permaneça em quadra, perderá os pontos para a equipe adversária.

CAPÍTULO VI    DA PREMIAÇÃO
ARTIGO 28º: Ao término da competição serão entregues os seguintes prêmios:
A)    CAMPEÃO: Troféu, medalhas e R$ 700,00
B)     VICE CAMPEÃO: Troféu, medalhas e R$ 400,00.
C)     ARTILHEIRO: Troféu e R$ 100,00
D)      GOLEIRO MENOS VAZADO: Troféu e R$ 100,00

§ PRIMEIRO: A equipe dentre as semifinalistas que sofrer a menor média de gols durante todo o campeonato terá o seu goleiro principal como o menos vazado da competição.

§ SEGUNDO: Em caso de empate entre os artilheiros e/ou goleiros receberá a premiação o(s) atleta(s) em que sua equipe ficar melhor colocada na classificação geral da competição.

CAPÍTULO VII    DO UNIFORME
ARTIGO 29º: Em caso de semelhança nas cores do uniforme a equipe colocada a direita da tabela deverá providenciar a troca pelo menos das camisas.

§ PRIMEIRO: Todos os atletas inclusive os reservas deverão obrigatoriamente está padronizado com o uniforme do seu clube com camisas numeradas, calção e meião. Caso o uniforme não esteja condizente com os demais, a equipe não perderá os pontos, mas o atleta com material diferente pode ser vetado de atuar até que esteja uniformizado de acordo com a sua equipe.

§ SEGUNDO: Cada equipe deverá dispor de camisa com o mesmo número para o goleiro linha.

ARTIGO 30º: Em casos específicos o número do atleta poderá ser modificado em súmula.
A)    Camisa rasgada em disputa de bola;
B)     Goleiro contundido ou expulso e um atleta passar a ser o goleiro;
C)     Atleta com a camisa manchada de sangue.
D)    Nos casos específicos o atleta poderá trocar de camisa até com o companheiro que se encontra no banco de reservas;
E)     Em quaisquer dos casos, o anotador colocará a observação na súmula do jogo apenas para controle organizacional, a equipe e o atleta não serão penalizados.

CAPÍTULO VII    DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS
ARTIGO 31º: Todos os componentes do banco de reservas obrigatoriamente deverão está relacionados em súmula. Quem não estiver inscrito não poderá ficar no banco.

§ PRIMEIRO: O número de integrantes da comissão técnica é de no máximo três por equipe.

§ SEGUNDO: Fica proibido a permanência no banco de reservas de atleta ou integrante da comissão técnica usando camiseta regata, sandálias tipo havaianas ou qualquer acessório não condizente. O treinador deverá usar calça.

ARTIGO 32º: A equipe que não comparecer ou não se apresentar na quadra em condições de iniciar o jogo dentro do horário da tabela, perderá os pontos para a equipe adversária (WXO) de acordo com o tempo previsto neste regulamento no Artigo 5º e seus parágrafos.

ARTIGO 33º: Em caso de WxO o placar será de 1x0 para a equipe vencedora, com o gol contabilizado para efeito de saldo e os 03 pontos computados como vitória.

ARTIGO 34º: O atleta, dirigente ou torcedor que venha a interferir no bom andamento da competição, a comissão organizadora tomará as devidas providências no que diz respeito à punição individual ou coletiva.

§ ÚNICO: Qualquer atleta ou integrante da comissão técnica inscrito na competição pode ser penalizado mesmo que a sua equipe não esteja jogando.

ARTIGO 35º: A prática da agressão física contra qualquer pessoa (atleta, torcedor, mesário, árbitro, comissão organizadora...) constitui eliminação automática da competição. O infrator será julgado de acordo com os Artigos do CBJD.

ARTIGO 36º: Quadro clínico ou médico de atletas, membros de comissões técnicas, árbitros é de responsabilidade individual de cada um, não impondo á comissão organizadora quaisquer obrigações por danos ou problemas nesse sentido.

ARTIGO 37º: Os árbitros serão escalados minutos antes de cada jogo, não sendo aceito por parte das equipes vetos ou outras indicações.

ARTIGO 38º: Caso uma equipe sinta-se prejudicada nos seus direitos e pretenda protestar, deverá fazer até 24 horas após o término do jogo, através de ofício digitado e dirigido a secretaria de esporte, assinado pelo presidente da equipe juntamente com o pagamento no valor de R$ 200,00 (Duzentos Reais).

ARTIGO 39º: Cada equipe nomeará o presidente e um representante legal para tratar de assuntos pertinentes a competição junto à comissão organizadora, não sendo aceito outra (s) pessoa (s) que não seja as mencionadas neste artigo.

ARTIGO 40º: A comissão disciplinar da copa será formada por três integrantes selecionados pela Secretaria de Turismo, esporte e Lazer..

ARTIGO 41º: Os casos omissos ou não presentes no presente regulamento, serão resolvidos pela comissão da TAÇA PRATA DA CASA TANGARAENSE DE FUTSAL.

ARTIGO 42°: Este regulamento, elaborado com base no artigo 217, I da constituição federal e aprovado pela Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer do município de Tangará,RN, entrará em vigor a partir de 13 de agosto de 2018.

Tangará-RN, 13 de agosto de 2018.

Luiz Carlos de Oliveira
Secretário de Turismo, Esporte e Lazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário